Lições no deserto

17 jan

deserto

O livro de Deuteronômio é um resumo das ações de Deus em prol do Seu povo durante a saída do Egito e entrada em Canaã. As palavras de Moisés foram palavras de vitória, de conquista, de progresso, de prosperidade, exortando o povo a cumprir, a obedecer ao Senhor para que recebessem das promessas que Ele havia dado ao Seu povo. Nos textos abaixo, Moisés fala sobre o propósito do tempo passado no deserto e dá algumas lições a serem entendidas e praticadas por todos nós:

“Todos os mandamentos que hoje vos ordeno guardareis para os cumprir; para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que o Senhor jurou a vossos pais. E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o Senhor teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não” (Deuteronômio 8:1,2).

A primeira lição que tiramos é que, quem nos guia no deserto ou durante o deserto, é o Senhor. Sendo mais ousado, digo até que o Senhor nos guia para o deserto. Após o batismo de Jesus, a Bíblia diz que ele “foi conduzido pelo Espírito ao deserto” (Mateus 4:1). A verdade é que nós não conseguimos conceber, aceitar a ideia de que Deus conduz alguém ao deserto e, então, muito menos guiar alguém neste deserto.

“E os patriarcas, movidos de inveja, venderam José para o Egito; mas Deus era com ele. E livrou-o de todas as suas tribulações, e lhe deu graça e sabedoria ante Faraó, rei do Egito, que o constituiu governador sobre o Egito e toda a sua casa” (Atos 7:9,10).

A palavra diz que Deus estava com José naquela situação de prisão. Nossa grande dificuldade é enxergar o Senhor em meio a situações ruins. Como é que Deus pode estar no deserto? Talvez a grande razão do Senhor ter permitido o povo passar pelo deserto antes de entrar na terra prometida foi para que, primeiro, tivesse um conhecimento d’Ele, um encontro real com Ele. Terra prometida, sem o Senhor, não significa nada. Quando o Senhor nos leva para o deserto é porque Ele quer que aprendamos e cresçamos mais.

Outra lição é que o Senhor levou o povo ao deserto para o humilhar. Quantas vezes ouvimos cristãos dizerem que Deus não humilha ninguém? Mas Ele não somente humilha, como manda que nos humilhemos:

“Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte” (1 Pedro 5:6).

Não é fácil se humilhar ou ser humilhado, mas isso prova profundamente os nossos corações. Ser esquecido, desonrado, desprestigiado, etc. é muito ruim; somos tentados a reclamar de Deus, das pessoas, da vida.

“E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem. Nunca se envelheceu a tua roupa sobre ti, nem se inchou o teu pé nestes quarenta anos” (Deuteronômio 8:3,4).

A grande lição do deserto é que passamos a depender totalmente de Deus e da Sua palavra e constatamos que não temos controle sobre nada que nos acontece na vida, que tudo que somos e temos está nas mãos do Senhor. Neste momento passamos a viver exclusivamente da Palavra de Deus. Existem problemas que Ele coloca à nossa frente onde nos sentimos totalmente presos, amarrados, sem saber o que fazer e qual o próximo passo. Assim, passamos a depender diariamente de uma palavra do Senhor e, quando Ele fala, é o momento de respirarmos, de nos fortalecermos.

Deus nos dá do Seu Espírito, da Sua Palavra, do Seu corpo que é a igreja. Nós, muitas vezes sem entendimento, buscamos socorro naquilo que o Senhor não nos deu. Quem busca refúgio fora do Espírito, da Palavra ou da igreja, normalmente permanece no deserto, caminha sem direção ou abrigo.

Existem desertos que passamos onde o jejum diário passa a ser a única opção de vida, porque simplesmente não temos fome. Estamos tão desesperados, queremos tanto ouvir a Deus que não queremos comida. Isso Ele faz para nos mostrar que não somos autossuficientes, que não temos respostas para tudo, que o controle não está em nossas mãos. Assim, vivemos alimentados do maná diário, necessitados de ouvir uma nova palavra de Deus a cada dia. Aquele povo passou 40 anos no deserto com uma provisão sobrenatural e diária do Senhor; suas roupas e calçados não se desgastaram e nunca lhes faltou alimentos.

Aqui aprendemos outra grande lição: Como iremos louvar a Deus se não O vemos provendo, agindo? É no deserto que aprendemos a fazer contas, a reconhecer e valorizar todas as bênçãos que Deus nos concede e que, às vezes, não vemos ou valorizamos. Louvor é reconhecimento, é ver e valorizar o que Deus faz, é contar as bênçãos uma a uma. Louvor é a linguagem do reino de Deus e murmuração é a linguagem do reino das trevas. A murmuração produz enfermidades de todos os tipos. A pessoa que murmura, que não enxerga Deus no seu deserto acabará doente.

Melhor do que passar pelo deserto é ser transformado nele, porque é isso que Deus quer fazer conosco. Deserto é um lugar onde temos de entrar de um jeito e sair de outro, transformados. Nós não fomos criados para o deserto. Salmos 68:6 diz que apenas “os rebeldes habitam em terra seca, estéril”. Os rebeldes moram no deserto, mas nós apenas passamos por ele para poder aprender, para ver o Senhor agir, para louvar, para se contentar.

“Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente. Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração estão os caminhos aplanados. Que, passando pelo deserto, faz dele um manancial; ele fica cheio de fontes de água, e as primeiras chuvas o cobrem de bênçãos” (Salmos 84:4-6).

O Salmista está dizendo que se o nosso deserto for transformado em um manancial, as primeiras chuvas não irão apenas nos socorrer, mas já irão nos transbordar. Isso é estar cheio de Deus em meio ao deserto. Mas, não tem como transbordarmos de bênçãos no meio do deserto se não estivermos cheios de Deus. Por isso, vamos buscar ao Senhor, vamos clamar para vê-Lo em meio ao deserto e louvá-Lo com todo o nosso ser.

Há épocas em que, devido as lutas, não conseguimos sequer cantar e, quando o fazemos, é algo forçado, de forma ritualista. Às vezes queremos ouvir Deus apenas na reunião, no ajuntamento (Mateus 18:20), mas Ele fala também no secreto, em nossos momentos de oração particular (Mateus 6:6). Ele fala conosco através dos cultos, dos irmãos, mas também através dos momentos secretos e precisamos aprender a ouví-Lo em todos estes momentos.

“Quando, pois, tiveres comido, e fores farto, louvarás ao Senhor teu Deus pela boa terra que te deu” (Deuteronômio 8:10).

Ao passar pelo deserto, enxergar e ouvir ao Senhor e cumprir o que Ele está falando, O louvaremos e nos alegraremos.

Franco e DeniseSérgio Franco ><>
Twitter: @francoamd7
Facebook: https://www.facebook.com/sergio.franco.servolivre
..
..
..

 

Uma resposta to “Lições no deserto”

  1. Gabi Knupp janeiro 18, 2014 at 7:54 PM #

    Excelente texto Rev. ;). Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 9.751 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: